A última análise sobre o uso da cloroquina contra a Covid

Infectologista Alexandre Naime Barbosa apresenta os resultados uma revisão sistemática, publicada nesta semana, no Jornal Brasileiro de Pneumologia, dos mais relevantes estudos que mediram a eficácia do medicamento para prevenir o contágio e casos graves da doença

COMPARTILHE:

2021-09-23 08:36:25

O Globo

Mesmo com o avanço da vacinação contra a Covid-19, com reflexos positivos no Brasil e no mundo, o chamado “tratamento precoce” segue presente no noticiário. Apesar da farta literatura científica contrária ao uso de hidroxicloroquina, o principal item do chamado 'kit Covid', o presidente Jair Bolsonaro resolveu levar a defesa desse suposto tratamento para seu discurso na Assembleia Geral da ONU. Mas o uso da cloroquina também voltou aos holofotes pelo avanço das investigações sobre a atuação da Prevent Senior na pandemia, e o uso indiscriminado de medicamentos não recomendados pela operadora de saúde para tratar da doença. Por isso, os médicos seguem analisando os dados já levantados sobre a cloroquina. A última revisão foi publicada esta semana pelo Jornal Brasileiro de Pneumologia.

Um grupo de quatro médicos brasileiros fez uma revisão sistemática de ensaios clínicos que compararam pacientes que receberam hidroxicloroquina como profilaxia ou tratamento de casos leves e pacientes que receberam placebo. De um universo de 1.376 estudos, nove foram levados em consideração por atender os critérios determinados para essa análise. O médico Alexandre Naime Barbosa, membro do Comitê de Monitoramento da Covid da Associação Médica Brasileira e chefe da infectologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), é um dos participantes dessa avaliação. Segundo ele, não houve diferença entre o uso de placebo e o de cloroquina. 'Infelizmente, essa meta-análise demonstrou que a cloroquina não ofereceu nenhum benefício para reduzir a hospitalização e nem reduzir o número de óbitos'. No Ao Ponto desta quinta-feira, o médico explica os detalhes dessa análise dos estudos científicos e comenta as revelações da CPI da Covid sobre a atuação da Prevent Senior para a contabilização de óbitos de pacientes internados com a doença.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes do dia. O episódio também pode ser ouvido na página de Podcasts do GLOBO. Você pode seguir a gente em plataformas como Spotify, iTunes, Deezer e também na Globoplay.

O Globo, um jornal nacional: Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal

Mesmo com o avanço da vacinação contra a Covid-19, com reflexos positivos no Brasil e no mundo, o chamado “tratamento precoce” segue presente no noticiário. Apesar da farta literatura científica contrária ao uso de hidroxicloroquina, o principal item do chamado 'kit Covid', o presidente Jair Bolsonaro resolveu levar a defesa desse suposto tratamento para seu discurso na Assembleia Geral da ONU. Mas o uso da cloroquina também voltou aos holofotes pelo avanço das investigações sobre a atuação da Prevent Senior na pandemia, e o uso indiscriminado de medicamentos não recomendados pela operadora de saúde para tratar da doença. Por isso, os médicos seguem analisando os dados já levantados sobre a cloroquina. A última revisão foi publicada esta semana pelo Jornal Brasileiro de Pneumologia.

Um grupo de quatro médicos brasileiros fez uma revisão sistemática de ensaios clínicos que compararam pacientes que receberam hidroxicloroquina como profilaxia ou tratamento de casos leves e pacientes que receberam placebo. De um universo de 1.376 estudos, nove foram levados em consideração por atender os critérios determinados para essa análise. O médico Alexandre Naime Barbosa, membro do Comitê de Monitoramento da Covid da Associação Médica Brasileira e chefe da infectologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), é um dos participantes dessa avaliação. Segundo ele, não houve diferença entre o uso de placebo e o de cloroquina. 'Infelizmente, essa meta-análise demonstrou que a cloroquina não ofereceu nenhum benefício para reduzir a hospitalização e nem reduzir o número de óbitos'. No Ao Ponto desta quinta-feira, o médico explica os detalhes dessa análise dos estudos científicos e comenta as revelações da CPI da Covid sobre a atuação da Prevent Senior para a contabilização de óbitos de pacientes internados com a doença.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes do dia. O episódio também pode ser ouvido na página de Podcasts do GLOBO. Você pode seguir a gente em plataformas como Spotify, iTunes, Deezer e também na Globoplay.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar