Bolsonaro pressiona Ministério da Saúde para flexibilizar uso de máscaras

Fontes da pasta afirmam, no entanto, que relatório do estudo sobre o tema deverá sugerir que municípios continuem responsáveis pela decisão

COMPARTILHE:

2021-10-16 01:06:13

Correio Brasiliense

A equipe do Ministério da Saúde, responsável pelo estudo sobre a flexibilização do uso de máscaras no Brasil, em fase de finalização, informou, nesta sexta-feira (15/10), que o relatório da análise deverá sugerir que continue a cargo de cada município a decisão de obrigatoriedade de uso do acessório contra a covid-19, recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo o jornal A Folha de São Paulo, o documento informa que o órgão deverá estabelecer parâmetros com base nas taxas de transmissibilidade, avanço da campanha de vacinação e demanda por leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de cada cidade.

O documento sugere, segundo fontes da pasta da Saúde, que os municípios continuem com a autonomia sobre as regras de uso da máscara, já determinada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Ainda assim, o Ministério da Saúde tem enfrentado pressão do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), para flexibilizar as orientações, o que também vem sendo defendido pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, desde pouco tempo após assumir o cargo de ministro.

'Ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que estejam vacinados ou que já foram contaminados para tirar este símbolo que, obviamente, tem a sua utilidade para quem está infectado', afirmou o Bolsonaro em junho deste ano, referindo-se à Queiroga. Na semana passada, o ministro da Saúde afirmou abertamente ser 'absolutamente contrário' à obrigatoriedade do uso de máscara contra covid.

'Sou absolutamente contrário. O governo federal defende primeiro a dignidade da pessoa humana, a vida, a liberdade. Eu acho que uma lei para obrigar qualquer coisa é um absurdo, porque não funciona. Temos que fazer as pessoas aderirem às recomendações sanitárias', disse Queiroga.

De acordo com as fontes do ministério, o relatório com a conclusão do estudo ainda não tem data para ser divulgado de forma ampla, mas deve ocorrer em breve. Inicialmente, o parecer indicaria a derrubada do uso de máscaras ao ar livre, com base em artigos sobre o tema e em experiências bem sucedidas em outros países. Além disso, o ministério analisa parâmetros para que o acessório volte a ser usado em caso de necessidade, como no surgimento de uma nova onda da covid, por exemplo.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar