Na contramão da Anvisa, ministro da Justiça é contrário a 'passaporte da vacina' nas fronteiras - Saúde - Estadão

'Não precisa', declarou Anderson Torres, alegando que a imunização não impede o contágio pelo vírus

COMPARTILHE:

2021-11-26 01:51:47

ESTADÃO

25 de novembro de 2021 | 22h12

BRASÍLIA - Enquanto o mundo discute a possibilidade de uma quarta onda de covid-19, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, disse nesta quinta-feira, 25, que é contrário à cobrança de comprovantes de vacinação contra o novo coronavírus nas fronteiras brasileiras. 

A declaração está em linha com o pensamento do presidente Jair Bolsonaro, mas contraria uma recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em 12 de novembro, o órgão enviou à Casa Civil notas técnicas sobre a entrada de viajantes ao Brasil: propôs a abertura das fronteiras para aqueles que comprovarem a vacinação e quarentena de cinco dias para os não imunizados. 

SP pede ao governo federal e à Anvisa exigência de passaporte da vacina para estrangeiros

'Não precisa. A vacina não impede a transmissão da doença', declarou hoje o ministro a jornalistas, na porta do Palácio da Justiça. A vacinação, no entanto, reduz a possibilidade de contágio e, consequentemente, a transmissibilidade da covid-19

Apesar de ter externado sua posição, Anderson Torres destacou que o governo ainda não decidiu sobre a reabertura de fronteiras. 'Não tem nada decidido. É uma posição de governo e estou falando do meu ministério', disse o ministro nesta tarde. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar