Ômicron: Novo pico de casos de Covid-19 já é três vezes maior que o da variante Delta no Rio

Em agosto de 2021 a média móvel de casos havia atingido o maior valor até aquele momento na pandemia. Nos próximos dias distância deve aumentar mais

COMPARTILHE:

2022-01-14 19:54:29

O Globo

RIO — O novo pico de casos de Covid-19 provocados pela variante Ômicron no Rio já é três vezes maior que o anterior, no auge da onda causada pela cepa Delta na cidade. Segundo dados da prefeitura do Rio, a média móvel de novas infecções na última segunda-feira atingiu a marca de 6.338 casos. Até o estabelecimento da Ômicron, o indicador nunca havia ultrapassado 2 mil casos diários, chegando ao máximo de 1.985 no dia 16 de agosto de 2021. E há um mês o índice era apenas de 65 casos.

Veja quantidade por cidade:doses recebidas para vacinação infantil só duram até quarta-feira

Os novos números da pandemia também mostram que o último dia 10 também se tornou o com maior número de pessoas infectadas pela doença, com 7.729 casos. Até a chegada da Ômicron, o maior número em um único dia era de 3.600, no fim de abril de 2020 durante na primeira onda da doença.

Os dados se referem ao total de pacientes que relataram ter começado a sentir os sintomas da infecção no dia 3. Mas esse número deve subir, já que outros casos atendidos nos dias seguintes ainda devem ser inseridos no sistema.

Os números da prefeitura do Rio mostram que o número de casos suspeitos da doença na cidade disparou nas últimas semanas atingindo índices jamais vistos. Até o momento, nos primeiros sete dias de 2022 já houve registro de quase 111 mil casos de Síndrome Gripal — suspeitos, mas não necessariamente confirmados para a Covid-19. Os casos ainda estão sendo inseridos no sistema e também devem aumentar nos próximos dias. Nesta sexta-feira, por exemplo, mais de 10 mil casos foram inseridos.

Comprovante:  Rio amplia exigência da dose de reforço a todos com 50 anos ou mais no 'passaporte da vacina'

A primeira semana do ano se estabeleceu, portanto, como a recordista de casos de Síndrome Gripal até o momento. Porém, dados referentes aos casos desta semana já dão indícios que o indicador deve piorar, já que pela segunda semana seguida o Rio bateu também o recorde de número de testes feitos para o diagnóstico de Covid, com mais de 85 mil testes.

A atual taxa de positividade continua alta e atingiu esta semana a casa dos 50%, o que não ocorria desde agosto de 2020.

O número de hospitalizados na cidade do Rio diagnosticados com a doença tem aumentado ao longo dos últimos dias, mas em uma curva menor do que a de casos. Nesta sexta-feira 357 pessoas estão diagnosticadas com o coronavírus na rede pública da capital e 31 aguardam transferência. O número é cerca de um terço dos internados no auge da onda provocada pela Delta, em agosto de 2021 — o que especialistas e autoridades creditam ser influência da alta cobertura vacina do Rio.

Covid-19:  Cirurgias eletivas serão suspensas nas redes municipal e estadual do Rio por 30 dias

Por causa do aumento de casos que necessitam de internação, a prefeitura voltou a abrir leitos de Covid-19 no Hospital Ronaldo Gazolla, que foi referência para o tratamento da doença ao longo da pandemia. Nesta sexta-feira há 60 pacientes internados com Covid na unidade, sendo 27 em UTI.

O Globo, um jornal nacional: Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal

RIO — O novo pico de casos de Covid-19 provocados pela variante Ômicron no Rio já é três vezes maior que o anterior, no auge da onda causada pela cepa Delta na cidade. Segundo dados da prefeitura do Rio, a média móvel de novas infecções na última segunda-feira atingiu a marca de 6.338 casos. Até o estabelecimento da Ômicron, o indicador nunca havia ultrapassado 2 mil casos diários, chegando ao máximo de 1.985 no dia 16 de agosto de 2021. E há um mês o índice era apenas de 65 casos.

Veja quantidade por cidade:doses recebidas para vacinação infantil só duram até quarta-feira

Os novos números da pandemia também mostram que o último dia 10 também se tornou o com maior número de pessoas infectadas pela doença, com 7.729 casos. Até a chegada da Ômicron, o maior número em um único dia era de 3.600, no fim de abril de 2020 durante na primeira onda da doença.

Os dados se referem ao total de pacientes que relataram ter começado a sentir os sintomas da infecção no dia 3. Mas esse número deve subir, já que outros casos atendidos nos dias seguintes ainda devem ser inseridos no sistema.

Os números da prefeitura do Rio mostram que o número de casos suspeitos da doença na cidade disparou nas últimas semanas atingindo índices jamais vistos. Até o momento, nos primeiros sete dias de 2022 já houve registro de quase 111 mil casos de Síndrome Gripal — suspeitos, mas não necessariamente confirmados para a Covid-19. Os casos ainda estão sendo inseridos no sistema e também devem aumentar nos próximos dias. Nesta sexta-feira, por exemplo, mais de 10 mil casos foram inseridos.

Comprovante:  Rio amplia exigência da dose de reforço a todos com 50 anos ou mais no 'passaporte da vacina'

A primeira semana do ano se estabeleceu, portanto, como a recordista de casos de Síndrome Gripal até o momento. Porém, dados referentes aos casos desta semana já dão indícios que o indicador deve piorar, já que pela segunda semana seguida o Rio bateu também o recorde de número de testes feitos para o diagnóstico de Covid, com mais de 85 mil testes.

A atual taxa de positividade continua alta e atingiu esta semana a casa dos 50%, o que não ocorria desde agosto de 2020.

O número de hospitalizados na cidade do Rio diagnosticados com a doença tem aumentado ao longo dos últimos dias, mas em uma curva menor do que a de casos. Nesta sexta-feira 357 pessoas estão diagnosticadas com o coronavírus na rede pública da capital e 31 aguardam transferência. O número é cerca de um terço dos internados no auge da onda provocada pela Delta, em agosto de 2021 — o que especialistas e autoridades creditam ser influência da alta cobertura vacina do Rio.

Covid-19:  Cirurgias eletivas serão suspensas nas redes municipal e estadual do Rio por 30 dias

Por causa do aumento de casos que necessitam de internação, a prefeitura voltou a abrir leitos de Covid-19 no Hospital Ronaldo Gazolla, que foi referência para o tratamento da doença ao longo da pandemia. Nesta sexta-feira há 60 pacientes internados com Covid na unidade, sendo 27 em UTI.

O Globo, um jornal nacional: Fique por dentro da evolução do jornal mais lido do Brasil

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar