Cidadania-DF libera filiados para decidir sobre apoio a Lula no 2º turno

Decisão da executiva nacional do partido foi tomada nesta terça (4/10). Presidente da sigla no Distrito Federal, a deputada Paula Belmonte confirmou que filiados do DF terão 'posicionamento respeitado'

Correio Brasiliense

2022-10-05 01:51:20

COMPARTILHE:

Os brasilienses filiados ao Cidadania estão livres para decidir sobre o apoio aos presidenciáveis que disputam o segundo turno. A executiva nacional da sigla declarou, após reunião nesta terça-feira (4/10), que estará ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas a presidente do partido no DF, a deputada federal Paula Belmonte, confirmou que os correligionários da capital do país podem divergir da posição. 'O Cidadania decidiu apoiar o ex-presidente Lula, mas os filiados estão liberados para apoiar qualquer um dos candidatos e terão seus posicionamentos respeitados', afirmou a deputada.

Paula Belmonte foi eleita para a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) no domingo (2/10). Ela se candidatou a distrital após atritos com o PSDB e com o senador Izalci Lucas, tucano que disputou o Palácio do Buriti pela federação PSDB-Cidadania. Paula chegou a declarar que seria a candidata do grupo ao GDF, mas as desavenças deixaram a parlamentar até mesmo de fora do cargo de vice na chapa.

A deputada é casada com o presidente do PSC no DF, o advogado Felipe Belmonte, que foi vice de Paulo Octávio (PSD) na disputa ao Governo do Distrito Federal (GDF). Ele foi um dos articuladores da criação do Aliança pelo Brasil, partido de iniciativa do presidente Jair Bolsonaro (PL) que acabou não saindo do papel.

 

Na nota em que comunicou o apoio a Lula, o Cidadania, por meio de Roberto Freire, presidente nacional da sigla, destacou os 'riscos de escalada autoritária de um segundo mandato do presidente Jair Bolsonaro' e afirmou que é 'preciso derrotar Bolsonaro democraticamente'.

'O partido avalia que Bolsonaro representa valores contrários aos seus princípios democráticos e republicanos, ao respeito às diferenças e aos direitos humanos, à defesa da ciência e da vida. O desprezo de Bolsonaro às minorias, a condução desumana e incompetente da pandemia, que resultou em centenas de milhares de mortos, suas reiteradas tentativas de cercear órgãos de investigação, os ataques à imprensa e a jornalistas, nada disso merece mais quatro anos. O Cidadania jamais deixou de se posicionar, ainda que respeitando, como respeitará neste caso, posições individuais de seus militantes e dirigentes. E não seria agora, nesse grave momento da vida nacional, que o partido assumiria a condição de mero espectador da realidade', escreveu Freire.

Paulo Octávio afirmou ao Correio que vai esperar a decisão nacional do PSD para definir sobre o apoio a Lula ou Bolsonaro. A tendência é que a legenda declare apoio ao ex-presidente. Por enquanto, entre os candidatos que disputaram o Buriti no domingo (2/10), Leandro Grass (PV), Keka Bagno (PSol) e Leila do Vôlei (PDT) estão ao lado de Lula.

Izalci Lucas (PSDB), Coronel Moreno (PTB) e Ibaneis Rocha, reeleito em primeiro turno, estão com Bolsonaro, que ficou com a maioria dos eleitores da capital do país: 51,65%. O ex-presidente petista teve 36,85% dos votos do DF.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar