Apagão derruba sistemas de serviços públicos da PRF

Sob forte pressão por seu desempenho no combate no combate aos bloqueios de rodovias, Polícia Rodoviária Federal vive blecaute há

ESTADÃO

2022-11-24 14:35:29

COMPARTILHE:

Pepita Ortega e Fausto Macedo

24 de novembro de 2022 | 10h22

Foto: Reprodução

Em meio a uma crise sem precedentes que põe sob suspeita seu diretor-geral, Silvinei Vasques, a Polícia Rodoviária Federal sofreu um apagão de larga escala que tirou do seu sistema todos os serviços públicos de informações. Estão indisponíveis há pelo menos quatro dias o registro de acidentes, fiscalização de trânsito, a confecção de boletins de ocorrência e outros serviços oferecidos pela PRF em todo o País. A corporação não informou a origem da escuridão em seus domínios e nem se há previsão de retorno à normalidade dos serviços.

Entre os portais atingidos estão: o Sinal, no qual é possível comunicar roubos ou furtos de veículos; o Sinal Desaparecidos, em que se denuncia o desaparecimento de pessoas; e o sinal Agro, onde se registra o furto de animais e maquinários agrícolas. Quando acessados, os sites registram a mensagem de ‘sistema em manutenção’.

Comunicado que circula entre grupos internos da PRF indica que um equipamento da corporação apresentou problemas ‘físicos’ na noite do domingo, 20. O texto informa que a integridade dos dados está garantida, mas indica que o equipamento voltou a falhar na tarde desta quarta-feira, 22.

Ainda de acordo com o documento, assinado pela Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação da PRF, os dados estão sendo transferidos para um novo equipamento. “Após o término dessa migração, o acesso às aplicações será restabelecido”, diz o texto.

COM A PALAVRA, A PRF

A reportagem entrou em contato com a corporação. O espaço está aberto para manifestações.

publicidade

publicidade

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar